sexta-feira, 25 de setembro de 2009

A BELEZA DO LUAR






SONETO AO LUAR
Arlene Miranda

No clarão do luar, fulgor crescente
Detém-se em meu olhar, inesquecível,
Ele que encanta o coração da gente,
Ternura que seduz, imperecível.

Me fala do seu mundo tão distante
E das horas de amor que consolou,
Uma paixão atroz, alucinante,
Velando a ternura que restou.

A sua luz se espalha em negro manto,
Prata que ameniza um triste pranto
Eterna maravilha em negro céu...

Mergulho em seu clarão a fantasia
E guardo n'alma a sua nostalgia,
Envolta na beleza do seu véu.

4 comentários:

Anônimo disse...

Muito querida Arlene! Estou inebriada pela beleza de poema. Lindo! Você, como sempre, sabe como ninguem dizer tudo aquilo que gostaríamos de expressar ao LUAR! Parabéns. Um beijo carinhoso. Oriêta.

Anônimo disse...

Querida amiga Oriêta, o luar sempre me inspirou. E me motivou a escrever esse soneto em seu louvor. Que bom que vc gostou. Sua opinião é muito importante para mim. Obrigada! Um beijo. Arlene.

eliseupontocom disse...

Eu tava procurando imagem de luar para ilustrar um poema meu e encontrei seu blog com esse poema lindo. Meus parabens.

Continue sempre dando voz a seu coração. A vida fica mais bela assim.


Bjs de chocolate!

Visite meu blog: http:\\cefaleia.dorqueinspira.zip.net

Arlene disse...

Eliseu, pode usar minhas imagens, quando quiser. Terei imenso prazer em colaborar com seu excelente blog. Obrigada pela bondosas palavras. Um abraço. Arlene Miranda.