quarta-feira, 22 de abril de 2009

O ENCANTO DA RENDA DE BILROS


A RENDA DE SINHÁ MARIA
Arlene Miranda

Os ágeis dedos da rendeira amada
Saltitam na almofada de algodão,
Fazendo sua renda, qual a fada
Mexendo com a varinha de condão.

No tilintar dos bilros saltitantes,
A doce ama, naquele momento,
Faz aumentar o bico num instante,
Com fina alvura, brilho e encantamento.

Do cachimbo de barro amarelado,
A fumaça a evolar-se pelo ar,
A rendeira relembra o seu passado,

E sente ainda enorme alegria
No velho coração a palpitar
Fazendo renda pra Sinhá Maria.





2 comentários:

Claraluz disse...

"Salve as mãos de quem tece suas rendas.

Enquanto trabalham "Os Ágeis dedos da rendeira", o que será que passa pelos pensamentos destas fadas?

O que será que fica amarrado neste belo trabalho que ao ser aprontado encanta quem admira?


Minha querida "Menina sorriso", Como sempre, alegrando a todos os teus leitores com palavras bonitas que nos faz pensar...ganhei o dia ao receber sua visita!
Vem cá mais vezes!!!
Um beijo carinhoso de sua amiga que veio te retribuir a visita.

Claraluz.

Anônimo disse...

Querida Claraluz, como vê, eu prometi e cumpri. Espero visitar seu lindo blog mais vezes. Continuo aguardando sua poesia para enriquecer meu blog. gratíssima por suas generosas palavras sobre o meu trabalho. Arlene.