sábado, 22 de agosto de 2009

MEU CASTELO DE SONHOS


A CASA DE MINHA INFÂNCIA
Arlene Miranda


Jamais esquecerei o berço-ninho
E o verde musgo do quintal antigo,
Um primoroso e divinal carinho,
Ternas lembranças que guardo comigo.

Trago dentro de mim saudade infinda
E o prateado do gradil amigo.
Era feliz meu mundo de menina,
Com o mangueiral servindo-me de abrigo.

A casa em que vivi a infância ativa,
Fonte de luz em raios espalhados,
Foi meu reduto de beleza viva...

Conservo-lhe o odor em meus sentidos
Ao recordar seus muros encantados,
E em meus castelos, sonhos recolhidos.

2 comentários:

Claraluz disse...

Minha querida Arlene...Menina que tanto nos emociona com seus escritos...lembrei-me da casa de minha infância, onde no quintal tinhamos um coqueiro alto e em volta muitas mudas de trevo de quatro folhas, eu acreditava que se colocasse a mão em todas as folhas desse canteiro, teria sorte por toda minha vida....acredite...sou uma mulher de sorte!

Um grandioso beijo e Deus te abençoe

Anônimo disse...

Minha querida Claraluz, postei hoje o seu belo texto. Espero que goste da imagem que coloquei. Obrigada pelas referências aos meus escritos. Você também escreve muito bem, com enorme sensibilidade. Diga-me se gostou da postagem do seu texto. Um abraço. Arlene.